Trânsito: Patrulhas deixaram de vigiar a A1, A2, A5 e A23

  • 6 Respostas
  • 5232 Visualizações
*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3533
  • Recebeu: 23 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +3/-0
Trânsito: Patrulhas deixaram de vigiar a A1, A2, A5 e A23
« em: Junho 19, 2006, 10:16:47 pm »
Carros da BT fora das auto-estradas
Citar
O comando da Brigada de Trânsito (BT) da GNR quer mudar o esquema de patrulhamento nas auto-estradas. A recente entrada em funcionamento de um centro de videovigilância da Brisa levou o comandante da BT, major-general Meireles de Carvalho, a alterar o patrulhamento nas auto-estradas. Os carros-patrulha estão agora colocados nos nós de acesso a quatro auto-estradas – A1 (Lisboa-Porto), A2 (Lisboa-Algarve), A5 (Lisboa-Cascais), e A23 (Vendas Novas-Guarda) – e só partem quando for detectada uma transgressão a partir do centro de videovigilância.

O novo esquema de patrulhamento ainda está em fase experimental. Se resultar será alargado a toda a rede de auto-estradas – o que permitirá poupar nas consideráveis despesas de manutenção do parque automóvel da Brigada de Trânsito. “Cada carro-patrulha faz uma média de 495 mil quilómetros por ano. Ao fim desse tempo, é um carro velho”, disse ao CM fonte da Brigada. A Brigada de Trânsito tem, desde o último dia 7 de Junho, cinco militares em permanência no Centro de Coordenação Operacional (CCO) da Brisa, em Carcavelos, dotado de um sistema de câmaras de vídeo que cobre aquelas quatro auto-estradas. Detectam excessos de velocidade, manobras perigosas e captam matrículas dos carros infractores.

Este equipamento foi aproveitado para a concepção do novo projecto de patrulhamento, delineado pela secção de operações da BT, e assinado pelo comandante, major-general Meireles de Carvalho. Assim, desde há cerca de um mês, que viaturas da BT deixaram de circular na A1, A2, A5, e A23.

Em vez disso, os veículos da Brigada de Trânsito estão a ser estrategicamente colocados nos nós de acesso às auto-estradas. E de lá só podem sair se receberem ordens, que terão de ser emitidas a partir de indicações fornecidas pelo CCO da Brisa.

Os técnicos desta empresa e os militares da BT colocados em permanência neste centro analisam as imagens captadas. Em caso de acidente, infracção rodoviária, ou necessidade de auxílio a condutores, as patrulhas colocadas nas imediações recebem ordens para avançar.

Para o porta-voz da BT, major Lourenço da Silva, o anterior sistema de patrulhamento, que previa a circulação dos carros-patrulha nas auto-estradas, nunca se revelou eficaz. “Pretende-se que o novo modelo seja dinâmico e adequado às necessidades”, acrescentou aquele oficial da Brigada de Trânsito.

BRISA PAGA PATRULHAMENTO

As viaturas com que a Brigada de Trânsito exerce a sua actividade de patrulha e vigilância nas auto-estradas A1 (Lisboa-Porto), A2 (Lisboa-Algarve), A5 (Lisboa-Cascais) e A23 (Vendas Novas-Guarda) são propriedade da concessionária destas vias, a Brisa, que paga ainda todas as despesas com combustível e manutenção das viaturas. Só não paga os salários dos militares.

Nas restantes vias de todo o País, a fiscalização é feita com recurso a 565 carros e 185 motos – propriedade da Guarda Nacional Republicana. Metade da frota automóvel é a gasolina e a tendência é para ter apenas carros a diesel.

Em média, um carro-patrulha da Brigada de Trânsito circula 330 dias por ano, sendo os restantes 35 ocupados com as revisões necessárias. Percorre por dia 1500 quilómetros, o que dá por ano uma média anual de 495 mil quilómetros. O gasto de combustível por ano e por viatura é de cerca de 34 mil litros, o que significa aproximadamente 35 mil euros anuais.

Um carro da Brigada de Trânsito faz num ano 49 mudanças de óleo e, pelo menos, 25 grandes revisões – e gasta ainda, num único ano, uma média de 24 jogos de pastilhas de travões e dez discos de embraiagem.

VIATURAS 'À PAISANA' CONTINUAM

Os carros descaracterizados da Brigada de Trânsito, equipados com câmaras de vídeo e sensores de velocidade, vão continuar a circular em todas as auto-estradas. Na A1 (Lisboa-Porto), na A2 (Lisboa-Algarve), na A5 (Lisboa-Cascais) e na A23 (Vendas Novas-Guarda), onde já vigora o novo esquema de patrulhamento, a BT vai continuar a instalar radares para controlo de velocidade e a circular com os carros ‘à paisana’.

As câmaras de vigilância instaladas pela Brisa cobrem todos os quilómetros daquelas auto-estradas. Mas as imagens obtidas ainda não podem ser utilizadas como prova da infracção nem podem ser arquivadas – enquanto a Comissão Nacional de Protecção de Dados, como a lei obriga, não der parecer favorável. As câmaras de vídeo transmitem para monitores de televisão instalados no Centro de Coordenação Operacional da concessionária das auto-estradas, em Carcavelos, onde se encontram, em permanência, militares da Brigada de Trânsito.

Quando é detectada qualquer manobra perigosa, ou um automóvel em contramão, o alerta é transmitido ao carro-patrulha posicionado no nó de acesso à auto-estrada mais perto do local e a patrulha da BT apenas poderá intervir caso seja testemunha da infracção.

UM CARRO EM NÚMEROS

QUILÓMETROS PERCORRIDOS

- Circula 330 dias por ano. Pára durante 35 dias para revisões

- Faz num ano 495 mil km

- Percorre 1500 km por dia

COMBUSTÍVEL E OFICINA

- Cada carro-patrulha gasta cerca de 34 mil litros de gasolina por ano

- Faz num ano 49 mudanças de óleo e, pelo menos, 25 grandes revisões

- Gasta por ano 24 jogos de pastilhas de travões e 10 discos de embraiagem

Um reparo á noticia, a A23 não é entre Vendas Novas/Guarda, mas sim Torres Novas/Guarda;
Esta autoestrada está concecionada á SCUTVIAS e não á BRISA, mas só apartir de Abrantes, pois entre Torres Novas/Abrantes é da EP - Estradas de Portugal, e nesse troço não existe uma única câmara para controlar o trânsito, até os posto SOS raramente estão funcionais.
Também desconheço onde é a central que recolhe e trata as imagens recolhidas na A23, mas provavelmente é no CAM (centro de assistência e manutenção) da Lardosa, perto do Fundão, só se a SCUTVIAS fornece os  dados para o CCO da Brisa em Carcavelos.
Potius mori quam foedari
 

*

asantos

  • 1
  • +0/-0
Re: Trânsito: Patrulhas deixaram de vigiar a A1, A2, A5 e A23
« Responder #1 em: Fevereiro 06, 2010, 10:05:30 am »
Alguem queria fazer isso talvez aqueles que quizeram acabar com a BT (Brigada de Trânsito) mas não conseguem pk os Brigadeiros juntos tem muita força
Estamos a lutar e com a ajuda de todos possivelmente será mais fácil.
Porque   "Brigada de Trânsito" é uma força de Elite dentro da GNR e não serve para passar multas, mas sim para a redução da sinistralidade,
cosa que desde 1 de Janeiro de 2008 não tem acontecido mas sim o contrario.
Os brigadeiros sofrem muito por uma perda humana porque julgam que a poderiam evitar.
obrigados.
 

*

Trafaria

  • Investigador
  • *****
  • 1957
  • Recebeu: 39 vez(es)
  • Enviou: 57 vez(es)
  • +1/-0
Re: Trânsito: Patrulhas deixaram de vigiar a A1, A2, A5 e A23
« Responder #2 em: Fevereiro 06, 2010, 02:50:17 pm »
Sofreram mas foi com a perda da vida que levavam... nao vale a pena tapar o sol com uma peneira nem ofender a inteligência das pessoas.
::..Trafaria..::
Fórum da PSP
 

*

LEOPARDO

  • 134
  • +0/-0
Re: Trânsito: Patrulhas deixaram de vigiar a A1, A2, A5 e A23
« Responder #3 em: Fevereiro 06, 2010, 09:15:16 pm »
:lol:  :G-beer2:
"VONTADE E VALOR"
 

*

Silent_Storm

  • 143
  • +0/-0
Re: Trânsito: Patrulhas deixaram de vigiar a A1, A2, A5 e A23
« Responder #4 em: Fevereiro 10, 2010, 11:19:37 pm »
Citação de: "asantos"
Alguem queria fazer isso talvez aqueles que quizeram acabar com a BT (Brigada de Trânsito) mas não conseguem pk os Brigadeiros juntos tem muita força
Estamos a lutar e com a ajuda de todos possivelmente será mais fácil.
Porque   "Brigada de Trânsito" é uma força de Elite dentro da GNR e não serve para passar multas, mas sim para a redução da sinistralidade,
cosa que desde 1 de Janeiro de 2008 não tem acontecido mas sim o contrario.
Os brigadeiros sofrem muito por uma perda humana porque julgam que a poderiam evitar.
obrigados.

Força de elite  :D
Força de elite é composta pelos PATRULHEIROS, homens que sem curso específico, são paus para toda a obra, cumprindo sempre a sua missão sem nunca conhecer os perigos que os esperam...
"Esta é a ditosa Pátria minha amada"
 

*

eras

  • 53
  • +0/-0
Re: Trânsito: Patrulhas deixaram de vigiar a A1, A2, A5 e A23
« Responder #5 em: Fevereiro 11, 2010, 07:54:20 pm »
Boas,  

com todo o meu respeito pela Unidade de Transito e seus elementos,fazem o seu trabalho,mas...FORÇA DE ELITE??????!!!!looool,peço desculpa,mas é por estas e por outras que as nossas forças de segurança andam como andam...todos tem a mania do "ELITE" e poucas o sao... :G-beer2:

Cumprimentos.
 

*

defesa.pt

  • 1
  • +0/-0
Re: Trânsito: Patrulhas deixaram de vigiar a A1, A2, A5 e A23
« Responder #6 em: Fevereiro 22, 2010, 11:35:15 pm »
Boa Noite, Penso que essa informação em titulo não corresponde a realidade, pelo menos no meu entender. Como Residente na margem sul e a desempenhar funções em Lisboa, sou entre milhares, os que engrossam o transito todos os dias na A2. ( vou de viatura , mas a viatura vai com 3 passageiros...) e como tal vejo diariamente a GNR ( em Monovolume) a controlar sem qualquer duvida o transito.

Aproveito para também comentar a quantidade de viaturas com luzes avisadores de todas as formas e feitios a piscar na "faixa mais a Dta", que gostaria de saber se tem algum "Livre Transito" para a infracção cometida e se inclusive essas luzes estariam realmente averbadas pelo registo da viatura em questão.